• Editor

Valorização da Agricultura Familiar e preservação do Horto Municipal destacam os primeiros 100 dias

Setor também priorizou levantamentos de dados para atender todas as demandas

Ascom

Durante os 100 dias de governo, a Secretaria de Agricultura considerou necessário reorganizar as atividades e estrutura física do Horto Municipal Cleusa Inês Buzanello e regularizar os trabalhos de quem depende da Agricultura Familiar.


Orientar, coordenar e incentivar o sistema agropecuário são primordiais para o andamento dos trabalhos da secretaria, ainda mais quando se trata de Lucas do Rio Verde, município reconhecido como a Capital da Agroindústria.


A Secretaria de Agricultura considera que os 100 primeiros dias de uma gestão são necessários para organizar os projetos a serem executados durante os próximos anos.


Uma das primeiras ações foi a organização das atividades do Horto Municipal com reprodução e multiplicação das palmeiras imperiais. O Horto possui 5 mil palmeiras que estão prontas para serem utilizadas em vias públicas, gerando economia estimada em R$ 600 mil.


A estrutura de apoio do Horto também foi pensada. A projeção é para as construções da área física do espaço, como a cozinha, banheiro e sala, além de um calendário para atender a população para doação de mudas e visitas agendadas, já pensando em evitar aglomerações neste período de pandemia.


As doações de mudas se destacaram nesta primeira fase. Cerca de 1.300 delas foram distribuídas à população luverdense, de forma gratuita. O sistema de entrega funciona no primeiro e terceiro sábado do mês. A requisição é feita pela Secretaria, no Paço Municipal, e, então, a pessoa se dirige ao Horto para retirar e receber também orientações técnicas sobre plantio, cultivo e cuidados na implantação das mudas em suas residências.


Na Agricultura Familiar, 44 agricultores e pecuaristas do município foram inseridos no “Programa MT Produtivo-Calcário”, de extrema importância à categoria.


O calcário é sem custo para os produtores. Em parceria com a Empaer, os cadastros foram realizados pela Secretaria Estadual da Agricultura Familiar. O uso do calcário na agricultura tem objetivo de extinguir decorrências tóxicas do alumínio, proporcionar no solo teores ideais de cálcio e magnésio, diminuir efeitos tóxicos do manganês e adequar o pH da solução do solo, para que os nutrientes sejam absorvidos pela raiz das plantações.


Um levantamento foi realizado para saber o número de famílias e propriedades que dependem da Agricultura Familiar. Além disso, a secretaria pesquisou a quantidade de consumo de hortifruti pela população luverdense.


Segundo o estudo, em Lucas do Rio Verde estima-se a quantidade de 26 mil domicílios. Por semana, são produzidos 60 mil maços de verduras e hortaliças. A mandioca é outro item com produção muito grande na Agricultura Familiar, chegando a 16 mil quilos por semana.


O levantamento estimou também o consumo de frutas semanalmente. São cerca de 6 mil quilos de banana, 100 quilos de limão, 3 mil quilos de mamão papaia e maracujá. Além disso, são 6 mil litros de leite, 350 quilos de queijo por semana.


Agricultura Familiar é um meio de cultivo feito por pequenos proprietários rurais, tendo como mão de obra, essencialmente, o núcleo familiar. Atualmente no município, existem 120 propriedades que produzem insumos para a Agricultura Familiar. Destas, 90 famílias dependem 100% deste meio de produção.




Quer receber notícias como essa no seu celular? Click aqui e entre no grupo do WhatsApp .


Leia a última edição completa da Revista Portal