Sucricca: 10 anos de uma trajetória de superação e sucesso



Maryuska Pavão


Há 10 anos, Catia Trevisan iniciou o que viria a ser tornar hoje a Sucricca Flores e Decoração. Na época, o empreendimento foi idealizado com a produção de doces para festas. De origem italiana, a empresária fez um curso na região do país e, quando retornou a Tapurah, iniciou a produção caseira com o auxílio e incentivo da sua irmã Cibeli Trevisan, parceria que durou cerca de três anos.


Durante a entrega dos produtos, nas festas, Catia e a irmã passaram a perceber que nos eventos os organizadores sofriam com a falta de flores para decoração. De olho neste segmento, começaram pesquisas sobre o assunto. Sabiam que não seria fácil, até por não ter o conhecimento, mas como na vida nada é impossível “se temos fé e coragem de trabalhar já é o suficiente”, observa Catia. Vendo um futuro promissor, as irmãs começaram aos poucos com flores naturais, agregando valor ao empreendimento. Mas aí vieram junto algumas dificuldades e obstáculos.


Em 2015, por motivo de força maior, a irmã optou por sair da sociedade. Mesmo assim, Catia decidiu investir no ramo floral, mas não foi fácil devido às condições financeiras. Tinha que desenvolver as confecções de doces para manter a família até conseguir realizar novos cursos com o objetivo de aprofundar o conhecimento e mergulhar de cabeça neste segmento. A empresária lembra também que deu sorte, já que quando iniciou a pesquisar sobre o fornecimento de matéria prima, descobriu uma empresa que trabalhava com flores em Sinop e iniciaria a rota semanal para a cidade de Tapurah. “Na época, havia algumas floriculturas na cidade, porém limitadas, buscavam produtos em outras cidades, mas hoje não existem mais”, explicou. A empreendedora lembra que logo de início já conseguiu cursos através das distribuidoras de flores onde abriu um leque de oportunidades e conhecimento. “Devo muito a Deus por ter colocado pessoas maravilhosas que conheci na trajetória floral”, pontuou. Ela então participou de vários treinamentos, cursos, palestras e até participou de um workshop Internacional em 2018. “Na verdade eu vi que estava faltando conhecimento, um diferencial. E foi onde a Sucricca se destacou”, pontuou.


No momento em que atividade com as flores começou a ganhar visibilidade, Catia Trevisan se viu obrigada a decidir e optou em parar com a produção de doces. “Eu não dava mais conta de suprir a necessidade dos doces, me tomava muito tempo”, relata. “E da flor foi pra objetos de decoração, móveis, flor permanente. A minha vida é feita de escolhas. Eu deixei de produzir doces tem três anos e meio, tenho saudades porque foi os doces que me fizeram chegar até aqui onde também me destaquei no mercado”, assinalou. “Mas a paixão pelas flores falou mais alto, sempre vi alegria, amor, sentimentos demonstrados através delas.”



Na loja, Catia Trevisan vende flores, arranjos, pequenos móveis que dão um toque charmoso ao ambiente. Sempre que pode a empresária viaja em busca de novidades. Ela entende que isso é essencial para um comércio.



Passados 10 anos, a empresária se diz grata a Tapurah, e a parceiros que passaram por sua vida e colaboraram para que a Sucricca se tornasse uma marca conhecida do consumidor tapuraense. Planos para o futuro? O mesmo que seguiu ao longo dessa década. “A gente sempre pensa em crescer, estar atualizando, acompanhando novidades. Porque o cliente gosta disso: de ser bem atendido e de encontrar coisas bonitas, ver a inovação, ideias. Acontece de um cliente ou outro vir à loja sem saber ainda o que quer a gente dá essa possibilidade a eles em conhecer e saber das novidades e inovações”, detalha Catia, citando que a loja dispõe de um catálogo virtual pelo whatsapp e que hoje atende muitos clientes de outras cidades e estados. “A distância jamais será o motivo para não expressar os sentimentos”, ressalta.


“Eu sou muito grata a Tapurah por ter a oportunidade de fazer parte desta história”, conclui Catia Trevisan.




Leia a última edição completa da Revista Portal