top of page
  • Foto do escritorEditor

SAAE Lucas: Há 30 anos cuidando da cidade e dos luverdenses



Celso Nery


O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Lucas do Rio Verde comemorou em julho, 30 anos de funcionamento em meio ao desafio de seguir avançando no tratamento de esgoto do município. A autarquia tem muito a comemorar, pois Lucas foi uma das primeiras cidades de Mato Grosso a implantar o serviço de coleta coletiva de resíduos. Além disso, o SAAE fornece água tratada a 100% das residências luverdenses e vem fazendo importantes investimentos na perfuração de poços para atender os diversos bairros do município. Outro item que marca o 30º aniversário da autarquia é a modernização constante da frota, máquinas e equipamentos usados pelos colaboradores. Atualmente, o SAAE atende cerca de 30 mil residências com abastecimento de água 24h por dia e 41% de rede de esgoto tratada, tendo como meta, atingir 53% até o fim do ano, além de realizar a coleta seletiva diária na região urbana e interior.


Na cerimônia que marcou os 30 anos foram entregues novos veículos e maquinários para a frota da autarquia. Ao todo, mais de R$ 1,5 milhão foram investidos na aquisição de seis veículos tipo pick-up, uma retroescavadeira, um hidrojato e um caminhão zero quilômetro Roll-on Roll-off.



“O desafio é grande. Quando assumimos a gestão enfrentamos dificuldades porque tínhamos uma grande dívida ativa, e conseguimos recuperar essa dívida quase em sua totalidade, gerando investimentos de 8 milhões ao longo da gestão.”, assinalou o diretor do Saae, Mauricio Fossatti. “Nosso objetivo é melhorar a vida das pessoas cada vez mais, devolvendo para a sociedade tudo aquilo que ela paga. Nós gestores temos sempre que enxergar como munícipe. Tudo o que temos feito pelo SAAE, na verdade, é estruturar ainda mais a autarquia, trabalhando diariamente para somar na qualidade e agilidade do serviço prestado. Continuaremos investindo cada vez mais”.


Qualidade

Os investimentos feitos no SAAE refletem a preocupação em proporcionar melhor qualidade de vida à população. A meta é manter o atendimento ao crescimento exponencial relativo ao número de consumidores, pois numa cidade em constante expansão, o poder público é obrigado a rever as estimativas feitas periodicamente. O prefeito Miguel Vaz lembra que o SAAE é uma empresa pública do município e que tem a sua própria gestão. “É um modelo que funciona e temos orgulho em realizar esta parceria com uma grande equipe técnica e capacitada, que contribui para o crescimento e desenvolvimento da nossa cidade.”


Além de oferecer serviços de qualidade, o SAAE ainda conta com a tarifa social, que atende famílias de baixa renda. “Tem esse olhar para o social, atendendo essas famílias que apresentam dificuldade financeira. Essa tarifa social tem o olhar do Poder Público para que estas pessoas sejam atendidas tão bem quanto as que pagam as tarifas convencionais”, observou Vaz.


Valorização

Ao longo dos 30 anos, diversos trabalhadores passaram pelo SAAE, dando sua contribuição. Por isso, a autarquia realizou um café da manhã com o corte de bolo para marcar a data. A medida também buscou valorizar os colaboradores responsáveis pelos trabalhos prestados.



Um deles é Francisco Oliveira, auxiliar em serviços gerais. Ele entrou no SAAE 23 anos atrás e citou que, ao longo destes anos encarou muitas lutas e conquistas. Quando foi contratado pela autarquia, havia apenas um caminhão para fazer a coleta de resíduos em toda a cidade, por isso os trabalhadores se dividiam em turnos para trabalhar. “E hoje, presenciar essa ampliação, o aumento no número de servidores na equipe e novos materiais e meios para trabalharmos, além da melhoria na entrega dos serviços é o resultado de que nosso trabalho e equipe cresceu muito”, comentou. “O SAAE representa uma família. Grande parte da minha vida foi aqui dentro, criei minha família todinha, meus filhos, com o serviço que eu prestei pro SAAE”.



Coletiva seletiva

A instalação de contentores de lixo começou a ser feita em 2013, modernizando a forma de coleta dos resíduos sólidos em Lucas do Rio Verde. Em várias ruas foram instalados contêineres das cores azul e laranja, o primeiro destinado a receber resíduos recicláveis, como papel, plástico, latas, vidros e embalagens longa vida, que podem ser reutilizados. Já os contentores na cor laranja recebem os resíduos úmidos, aqueles que não podem ser reutilizados, rejeitos, que são restos de alimentos, papel higiênico, fraldas descartáveis e marmitas. Ao todo, são cerca de 5 mil contêineres nos diversos bairros de Lucas do Rio Verde.


De acordo com o SAAE, mensalmente são coletados aproximadamente 1.572.570 quilos de lixo, uma média de pouco mais de 52,4 mil quilos por dia. A separação do lixo reciclável é feita no Ecoponto, localizado no bairro Tessele Júnior. Lá, o material é prensado e comercializado pela Associação de Coletores de Materiais Recicláveis de Lucas do Rio Verde (Acorlucas). Os demais resíduos coletados e o refugo (sobra da reciclagem) são destinados ao aterro sanitário, que é comandado por uma empresa terceirizada.


Comments


bottom of page