top of page

Ministério da Agricultura vai intensificar ações de proteção após suspender vacinação contra febre aftosa

Atualizado: há 6 dias

Livre da doença desde 2006, Brasil vai pleitear reconhecimento internacional



Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Após o anúncio do fim da vacinação contra a febre aftosa no Brasil, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) vai agir em outras frentes para continuar com o Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa. 

Mais de 244 milhões de bovinos e bubalinos em cerca de 3,2 milhões de propriedades deixarão de ser vacinados como estratégia de proteção.

O diretor de Saúde Animal do Ministério da Agricultura e Pecuária, Marcelo Mota, explica que foram criados três eixos principais para nortear as próximas ações. 

“O fortalecimento do serviço veterinário, no estabelecimento de uma estratégia de vacina para o caso de uma introdução de doença; um banco de vacina para estratégia focal e o fortalecimento das ações dos fundos de compensação para o caso de emergência. Porque no caso da ocorrência de uma eventual introdução desse vírus no futuro, nós tenhamos os recursos financeiros disponíveis para compensar os produtores agrícolas que vão ser prejudicados por essa ação”. 

Sem a vacina, a estruturação e o fortalecimento no serviço veterinário brasileiro de excelência, além da parceria com órgãos estaduais de defesa sanitária animal, são fundamentais para proteger os rebanhos.

O médico veterinário Lucas Edel ressalta como as recomendações do plano devem continuar sendo seguidas para que não haja o retorno do vírus. 

“As ações de vigilância, de coleta de amostras biológicas dos animais, de uma forma randomizada, aleatória, de cada estado, são uma forma de a gente monitorar se o vírus está vindo, está circulando ou não. Então, a circulação e o aumento da fiscalização das fronteiras, principais fronteiras mais problemáticas como com o Paraguai e Bolívia”, pontua.

Benefícios  

A erradicação com a suspensão da vacinação traz benefícios para o setor agropecuário e é vista com bons olhos pelo mercado internacional, já que significa que o país tem um bom serviço para identificar doenças e aumenta a confiança dos consumidores e dos parceiros comerciais na qualidade dos produtos, como observa o advogado especialista em direito animal Luciano De Paoli. 

“Essa carne não é só consumida no Brasil, ela também é exportada, então ficando livre da doença, faz com que o mercado interno e externo acabe tendo grande lucratividade. E Brasil ficando livre de zoonoses, dá um patamar superior em igualdade com países desenvolvidos”, comenta.

De acordo com o Mapa, o pedido de reconhecimento do país vai ser realizado em agosto e o resultado, se aprovado, será apresentado em maio de 2025. 

O reconhecimento internacional do status sanitário de livre de febre aftosa sem vacinação ao país é feito pela Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA). No Brasil, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso são reconhecidas como zonas livres da doença pela organização. 

Para obter esse reconhecimento, a vacinação contra a febre aftosa deve ser suspensa, com proibição de ingresso de animais vacinados nos estados por 12 meses, no mínimo. 

O fim da imunização significa também uma redução de custo direta, de mais de R$ 500 milhões com a aplicação. Os lotes de vacina restantes no país podem ser doados, caso haja países interessados. 

Como identificar a doença

A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda e considerada como uma zoonose, ou seja, caso o vírus entre em contato com os seres humanos, é transmitido de animais para pessoas. Não é letal, mas é de difícil controle por causa da alta capacidade de transmissibilidade.

“Ela é transmitida basicamente por gotículas de aerossol, onde o vírus está presente. Na maioria das vezes ela causa lesões orais, tem esse nome febre aftosa, porque causam aftas, e geralmente são aftas na boca, na mucosa de uma forma geral e também no casco. Ali também podem surgir lesões semelhantes a uma afta e também nos tetos dos animais. Esses são os principais sinais clínicos da febre aftosa”, explica Lucas Edel. 

Desde 2006 não são registrados casos da doença em território nacional.



  Fonte: Brasil 61

Comments


bottom of page