top of page
  • Foto do escritorEditor

Lucas do Rio Verde: Uma cidade de oportunidades

Atualizado: 3 de out. de 2022


Ao longo dos anos, Lucas do Rio Verde tem sido uma cidade de oportunidades às pessoas que sonham em melhorar a qualidade de vida. O ritmo de crescimento com padrões internacionais é constante, fruto de uma sequência de gestões públicas cujo objetivo é o desenvolvimento municipal. A base da economia local é a agricultura, seja no cultivo de grãos ou de algodão, ou produção de proteína animal. Atualmente, Lucas é a sexta economia do Estado, mas tem condições de avançar ainda mais. E esse potencial vem sendo trabalhado pela gestão luverdense de forma a atrair investimentos para o município.


O secretário de Governo de Lucas do Rio Verde, Alan Togni, explica que preparar o município para novos investimentos passa necessariamente pela prestação de serviços públicos de qualidade. Para conseguir essa qualidade esperada pelo cidadão, o poder público tem buscado novos parceiros. Foi assim, desde que Lucas passou a experimentar o crescimento econômico. Primeiro, com a transformação de proteína animal e, logo em seguida, com a produção de etanol a partir do milho e biocombustíveis produzidos a partir dos grãos de soja. O foco do momento é a indústria. “Há uma expectativa de que as coisas deem certo na cadeia têxtil e também na área metalmecânica”, assinalou.


Recentemente uma missão de Lucas do Rio Verde visitou municípios do Vale do Itajaí, em Santa Catarina. O grupo visitou algumas cidades onde a produção têxtil é importante e gera renda para as famílias envolvidas. A intenção da gestão municipal é atrair para Lucas do Rio Verde indústrias que possam fazer o beneficiamento do algodão, aproveitando que a região médio norte é grande produtora da cultura. “A gente sempre procura agregar valor. Tudo aquilo que a gente puder produzir e contemplar aqui é mais valioso, pois gera mais emprego, mais renda no nosso comércio e é de fato muito importante”, reconhece. “Plantamos uma semente. E talvez quem sabe a gente possa produzir o fio em Lucas através de uma indústria e mandar pra fora para que possam ser fabricadas roupas, utensílios e assim por diante. Um segundo passo seria até mesmo produzir roupa, fabricar aqui mesmo. Esse é o nosso foco, a gente tem trabalhado firmemente, tem várias missões focadas nesse segmento têxtil”, acrescenta.


Outra missão tem procurado divulgar o município para desenvolver um polo metal mecânico. Conhecida como capital da agroindústria, Lucas do Rio Verde é uma grande consumidora neste segmento e traz de fora os equipamentos para manter este segmento sempre em desenvolvimento.


“É um futuro breve, muito próximo. A gente precisa vender as potencialidades do município. Enquanto gestão pública o nosso maior objetivo é dar toda sustentabilidade pra isso”


Investimentos

A preparação de Lucas do Rio Verde para atender as futuras demandas passa por investimentos em áreas essenciais, como saúde, educação, habitação, emprego e segurança. Na área de saúde, por exemplo, estão sendo feito investimentos na atenção básica de saúde, fortalecendo a atuação dos Postos de Saúde da Família presentes em praticamente todos os bairros luverdenses. Na educação estão sendo construídas quatro escolas, apesar de pouco mais de 1 ano e meio de gestão. “Tudo isso pensando em levar serviços públicos de qualidade para a sociedade”, ressalta Togni.




O secretário acrescenta que na área habitacional, uma demanda sempre crescente, o município lançou projeto que prevê a construção de 1.536 apartamentos, além de projetar a venda de terrenos com preço que possa ser acessível a famílias de baixa renda.



“As pessoas têm preocupação em conseguir trabalho e sonha em ter sua casa própria. É um sonho comum na vida do ser humano. E o município está desenvolvendo políticas públicas para atender estas demandas”


Relacionado a geração de empregos, Togni salienta que os esforços são para dar qualificação a mão de obra disponível. Neste sentido instituições como Senai e IFMT atuam como parceiras. A primeira disponibiliza uma série de cursos aos luverdenses de todas as idades. Já o IFMT oferece cursos de graduação e profissionalizante. Em breve Lucas do Rio Verde contará também com a UFMT.


E os esforços para criar um ambiente favorável na área econômica vêm dando certo. Em agosto, nas cidades com população entre 61 a 71 mil habitantes, Lucas foi a primeira cidade mato-grossense com melhor saldo na geração de empregos e a terceira cidade do país nessa faixa de habitantes. O prefeito Miguel Vaz ressalta que a geração de empregos é um importante termômetro para chancelar o período de pleno desenvolvimento econômico. “Com o crescimento econômico acelerado, a meta da gestão é trabalhar para que os serviços públicos acompanhem o desenvolvimento do município, garantindo que todos tenham acesso a serviços de qualidade”, reforçou Vaz.


Logística


Alan Togni analisa ainda que o planejamento vem sendo estudado para os próximos 20 ou 30 anos levando em consideração a chegada de ferrovias à região. O modal deverá se tornar realidade em Lucas do Rio Verde antes de 2030, com a chegada da Rumo. Outras duas ferrovias, a FICO e a Ferrogrão, também deverão ter seus trilhos estendidos até Lucas. “É algo que já está acontecendo, estima-se que a ideia é concluir a Rumo, vindo de Rondonópolis, até 2028. E a ferrovia não vai só trazer os insumos, para que os nossos agricultores possam produzir alimentos, não é só isso. Através dos trilhos virão outros agregados que ajudarão o município e região, reduzindo preços de produtos entre outros benefícios”, detalhou o secretário, lembrando que o município tem tudo pra ser um grande polo ferroviário no Brasil. “É outra realidade que vai se tornar tão em breve”.


O secretário afirma que o desafio de preparar Lucas do Rio Verde para este futuro é grande. Uma das maneiras de alinhar esse desenvolvimento é melhorar a infraestrutura e ampliar os horizontes. Neste sentido, o município estendeu seus limites urbanos, criando mais de 1,2 mil hectares, uma área que poderá absorver mais 60 mil a 70 mil habitantes. “Isso é pensando a longo prazo, pois o município está crescendo numa velocidade muito rápida. Isso é bom, mas o município precisa acompanhar isso, dando suporte, oferecer serviços públicos de qualidade, PSF, escolas, praças. A gente se preocupa bastante com isso. Se a gente quer proporcionar crescimento, a gente tem que oferecer toda a qualidade do sistema de serviço público. Como temos um bom histórico de manter os serviços a altura e nossa sociedade é exigente, e isso é louvável, nós temos que manter essa qualidade. E a gente não vai medir esforços pra trabalhar firmemente com isso que traga avanços reais pra sociedade”, ressalta Alan.


Movimentando a economia

O setor de construção civil está movimentado. De janeiro a agosto, a Prefeitura Municipal emitiu 880 alvarás, pelo menos 30% é destinada para construção de imóveis residenciais. A maior parte dos alvarás residenciais é para construção de imóveis multifamiliares, ou seja, vão atender duas ou mais famílias no mesmo endereço. “É uma quantidade significativa de obras só para este ano. Se a gente contabilizar os números de 2021 e 2022, teremos em torno de 2,5 mil alvarás de obras. Significa que temos de 1,8 mil a 2 mil obras em andamento de forma simultânea no município”, revelou Alexandre Orbolatto, secretário de Infraestrutura e Obras, setor responsável pela emissão dos alvarás de construção.



O impacto das obras na economia do município é sentido em vários segmentos comerciais. Além da geração de empregos, o ritmo do setor beneficia o comércio com a venda de materiais e produtos para construção e demais segmentos comerciais. “O emprego come, se veste, tem o lazer dele. Tem tudo que precisa pra viver com dignidade”, observa. “É um giro extraordinário para nossa economia”.


A geração de empregos não fica restrita a iniciativa privada. Várias obras em andamento em Lucas do Rio Verde estão sendo executadas pela Prefeitura Municipal, de forma direta ou indireta. Orbolatto contabiliza quase 80 obras sendo executadas de forma indireta e simultânea, além de 16 que são comandadas por servidores lotados no setor de infraestrutura da Prefeitura. Boa parte dessas obras é de infraestrutura, seja a recuperação de vias na área urbana ou a pavimentação de estradas vicinais, como a Linha 13. “É uma obra de terraplenagem e pavimentação que requer maquinário pesado, mão de obra é da prefeitura, estamos locando maquinário. É uma obra interessante de 19 quilômetros que estamos executando”, avalia.


As obras que estão sendo executados ou em vias de ser iniciadas pelo poder público ou de forma terceirizada são estimadas em R$ 400 milhões. Nesse grupo está o residencial Águas do Cerrado, cuja terraplenagem já começou a ser executada. A obra, orçada em R$ 220 milhões, representa o projeto de habitação já lançado em Lucas do Rio Verde. Outra obra de grande vulto é a pavimentação da MT 338, conhecida Estrada da Baiana. “Esse bom momento motiva a gente, pois vê a diferença que a gente pode fazer, vê o resultado do trabalho”, analisa o secretário. “São obras necessárias, pois temos que preparar o município pra receber o crescimento que está por vir. E tem muita coisa a ser feita ainda”, conclui.




Leia a última edição completa da Revista Portal


bottom of page