top of page
  • Foto do escritorEditor

Governo vai investir R$ 1,7 trilhão em infraestrutura nos próximos anos



O Brasil vai investir R$ 1,4 trilhão nos próximos três anos e mais R$ 320,5 bilhões após 2026 em infraestrutura em todos os estados. O Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi lançado nesta sexta-feira (11) em evento no Rio de Janeiro. O programa está organizado em nove eixos de investimento: cidades sustentáveis e resilientes; transição e segurança energética; transporte eficiente e sustentável; inovação para indústria da defesa; educação, ciência e tecnologia; saúde; água para todos; inclusão digital e conectividade; e infraestrutura social inclusiva.

O advogado especialista em infraestrutura, doutor e mestre em Direito do Estado, João Paulo Pessoa, avalia que o programa deve gerar contratações e aquisições de máquinas e equipamentos — o que deve resultar em um impacto econômico positivo. Ele acredita que os investimentos também terão reflexo no âmbito social e destaca a preocupação com os aspectos ambientais.

“Quando o Novo Pac traz essa preocupação, é uma boa sinalização de que o governo está também incorporando essa nova diretriz global de preocupação com a transição energética, questões climáticas, investir em projetos que trarão também impacto social. Uma vez que você tem o foco muito bom nos projetos de infraestrutura social, que eu acho que é um viés importante desse Novo PAC, ele dá muito destaque para os projetos de infraestrutura social, que é moradia, saneamento, escolas, hospitais. Isso melhora a vida das pessoas”, afirma.

O Novo PAC possui ainda um conjunto de atos normativos de planejamento para expansão de investimentos públicos e privados. As medidas institucionais são: aperfeiçoamento do Ambiente Regulatório e do Licenciamento Ambiental; expansão do Crédito e Incentivos Econômicos; aprimoramento dos Mecanismos de Concessão e PPPs; Incentivos à Transição Ecológica; Planejamento, Gestão e Compras Públicas. Os investimentos previstos contam com R$ 612 bilhões do setor privado.

De acordo com a Casa Civil, o Novo PAC é um programa de investimentos coordenado pelo governo federal em parceria com o setor privado, estados, municípios e movimentos sociais. Tem o objetivo de acelerar o crescimento econômico e a inclusão social, gerar emprego e renda e reduzir as desigualdades sociais e regionais. João Paulo Pessoa destaca que essa cooperação traz uma expectativa positiva para a aplicação eficiente do programa. Ele defende segurança jurídica e garantias de respaldo para o setor privado.

“Me parece que essa colaboração entre os entes União, estados e municípios também será muito importante para implementar essas parcerias com o setor privado, porque o setor privado depende de segurança jurídica, depende de minimização de riscos nos projetos que ele vai entrar. E como você garante isso é com projetos bem estruturados e uma distribuição adequada das responsabilidades de cada parte nesses projetos de PPPs e concessões”, pontua.

Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Novo PAC é um passo importante para o avanço do setor no país. O especialista em infraestrutura da CNI, Ramon Cunha, destaca que o programa tem como objetivo principal expandir os investimentos no setor, com foco em parcerias com o setor privado e conclusão de obras pelo país. Ele ressalta ainda a importância da continuidade dos projetos e cuidados com a governança, fortalecimento de equipes técnicas e garantias contratuais.

“O Brasil tem um déficit de infraestrutura muito grande. O investimento público é extremamente importante, mas o investimento privado também é necessário. Então o programa tem uma proposta muito positiva, de combater as obras privadas, de estimular as parcerias público-privadas. Também é preciso que além desses investimentos, que sem dúvidas são necessários, a gente também consiga estabelecer algumas estratégias de análise para que tenhamos uma otimização desses recursos”, ressalta.

Cidades sustentáveis e resilientes

O Novo PAC prevê 609,7 bilhões em investimentos no eixo “cidades sustentáveis e resilientes”. Desse total, 557,1 bilhões devem ser investidos até 2026 e R$ 52,6 bilhões após 2026. O investimento total está dividido em sete subeixos:

  • Minha Casa, Minha Vida - R$ 345,4 bilhões

  • Financiamento Habitacional - R$ 160 bilhões

  • Periferia Viva - Urbanização das favelas - R$ 12 bilhões

  • Mobilidade urbana sustentável - R$ 48,7 bilhões

  • Gestão de resíduos sólidos - R$ 1,8 bilhão

  • Prevenção de desastres - Contenção de encostas e drenagem - R$ 14,9 bilhões

  • Esgotamento sanitário - R$ 26,8 bilhões

Transição e segurança energética

Para o eixo “transição e segurança energética” a previsão é de R$ 540,3 bilhões em investimentos. Segundo o Novo PAC, R$ 449,4 bilhões serão investidos até 2026 e o restante, R$ 90,9 bilhões, após esse período. O segmento também está dividido em sete subeixos:

  • Geração de energia - R$ 75,7 bilhões

  • Luz para todos - R$ 13,6 bilhões

  • Transmissão de energia - R$ 87,8 bilhões

  • Eficiência energética R$ 1,8 bilhão

  • Petróleo e gás - R$ 335,1 bilhões

  • Pesquisa mineral - R$ 307 milhões

  • Combustíveis de baixo carbono - R$ 26,1 bilhões

Transporte eficiente e sustentável

Para o setor de transportes, estão previstos R$ 349,1 bilhões em investimentos. Segundo o programa, desse total, R$ 220,9 bilhões serão investidos até 2026. O restante, R$ 128,2 bilhões, após esse período. São subeixos de “transporte eficiente e sustentável”:

  • Rodovias - R$ 185,8 bilhões

  • Ferrovias - R$ 94,2 bilhões

  • Portos - R$ 54,8 bilhões

  • Aeroportos - R$ 10,2 bilhões

  • Hidrovias - R$ 4,1 bilhões

Inovação para indústria da defesa

A previsão do PAC é de R$ 52,8 bilhões em investimentos em inovação para a indústria da defesa. Segundo o programa, R$ 27,8 bilhões até 2026 e R$ 25 bilhões após esse período. Equipar as forças armadas com tecnologia de ponta e aumentar a capacidade de defesa nacional são alguns dos objetivos. Os investimentos serão direcionados a equipamentos aéreos, navais, terrestres e a sistemas integradores.

Educação, ciência e tecnologia

O setor de educação, ciência e tecnologia deve receber R$ 45 bilhões em investimentos, R$ 36,7 bi até 2026 e R$ 8,3 bi após 2026. Os subeixos são:

  • Educação básica - R$ 26,4 bilhões

  • Educação profissional e tecnológica - R$ 3,9 bilhões

  • Educação superior - R$ 4,5 bilhões

  • Inovação e pesquisa - R$ 10,2 bilhões

Saúde

Para a área da saúde, o PAC prevê R$ 30,5 bilhões em investimentos, R$ 29,3 bilhões até 2026 e o restante, R$ 1,2 bilhão, após esse período. O segmento está dividido em cinco subeixos de investimento:

  • Atenção primária - R$ 7,4 bilhões

  • Atenção especializada - R$ 13,8 bilhões

  • Preparação para emergências sanitária - R$ 272 milhões

  • Complexo industrial da saúde - R$ 8,9 bilhões

  • Telessaúde - R$150 milhões

Água para todos

Para o eixo “água para todos”, o investimento previsto é de R$ 30,1 bilhões. De acordo com o programa, R$ 25,5 bilhões até 2026 e, após, R$ 4,6 bilhões. O investimento está dividido em quatro subeixos:

  • Abastecimento de água - R$ 10,8 bilhões

  • Infraestrutura hídrica - R$ 11,9 bilhões

  • Água para quem mais precisa - R$ 3,1 bilhões

  • Revitalização de bacias hidrográficas - R$ 4,3 bilhões

  • Inclusão digital e conectividade

O eixo “inclusão digital e conectividade” deve receber R$ 20,3 bilhões até 2026 e R$ 7,6 bilhões após esse período. O montante total de investimentos previsto é de R$ 27,9 bilhões divididos em cinco subeixos:

  • Conectividade nas escolas e nas unidades de saúde - R$ 6,5 bilhões

  • Expansão do 4G e implantação do 5G - R$ 18,5 bilhões

  • Infovias - R$ 1,9 bilhão

  • Serviços postais - R$ 856 milhões

  • TV digital - R$ 154 milhões

Infraestrutura social inclusiva

O PAC prevê R$ 2,4 bilhões em investimentos em “infraestrutura social inclusiva”. R$ 2,1 bilhões até 2026 e R$ 300 milhões após 2026. Os subeixos são:

  • Cultura - R$ 1,3 bilhões

  • Esportes - R$ 320 milhões

  • Segurança pública com cidadania - R$ 800 milhões



Fonte: Brasil 61

Comments


bottom of page