top of page
  • Foto do escritorEditor

Crimes graves como estelionato é um dos mais praticados em Mato Grosso em 2023




Os crimes graves, como estelionato, é um dos mais praticados em Mato Grosso. Segundo levantamento realizado pela Gerência de Polinter e Capturas da Polícia Civil (Gepol), em 2023  foram cumpridos 240 mandados de prisão de procurados pela justiça em diversas cidades do estado e mais de 4,7 mil cartas precatórias. 

Cartas precatórias são uma forma de comunicação utilizada pela justiça quando existem indivíduos em comarcas diferentes. De acordo com o diretor de Atividades Especiais da Polícia Civil do MT, o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, a maioria das cartas precatórias cumpridas foi em relação a crimes de estelionato.

“Neste trabalho, nesse intercâmbio com as delegacias. A polícia civil, através dessa unidade, cumpriu quase 5000 cartas precatórias. A diligência mais demandada é oitiva de pessoas, de vítimas, testemunhas, suspeitos de crimes ou de pessoas que estão aqui que praticaram crimes em outros estados, ou de vítimas e testemunhas que estão aqui e foram vítimas e testemunhas de crimes ocorridos em outros estados. Nós trabalhamos principalmente com a demanda muito grande de estelionato. Então, a nossa grande demanda nas cartas precatórias nesse suporte para os demais estados foi referente ao 171 do código penal, que é o crime de estelionato”, explica.

“Nós reunimos aqui os policiais aqui da região metropolitana com o do interior e realizamos dois grandes mutirões. Então, com essa somatória de esforços, a gente conseguiu chegar aí nesse número expressivo”, completa o delegado.

Já as prisões por mandados de prisão ocorreram em quatro operações realizadas em diferentes regiões do estado. “Nesse trabalho foi feito através de investigações qualificadas da própria unidade. E também com operações realizadas não só na região metropolitana, mas também no interior do estado. A gente trabalha realizando também pelas regionais. O nosso estado é um estado muito grande, então cada mês a Polinter vai pra uma regional e fica fazendo esse trabalho de levantamento, investigando, identificando e prendendo essas pessoas que estão foragidas”, ressalta.

Durante o ano passado foram cumpridos mandados contra criminosos que estavam presos por outros delitos, como roubo qualificado, tráfico de drogas, associação para o tráfico, associação criminosa, latrocínio, homicídios tentados e consumados, crimes sexuais, entre outros.

O delegado ainda destaca que os trabalhos da polícia civil do estado devem continuar focados no combate às facções criminosas.

“Nós vamos intensificar o cumprimento desses mandados de foragidos. Nosso foco é dar continuidade ao combate às facções criminosas e vamos também intensificar essas ações de combate à lavagem de dinheiro, visando a descapitalização, enfraquecendo essas facções, tirando esse poder econômico deles. Então, esse é o nosso grande foco aqui para o ano de 2024”, afirma.

Anuário da segurança

Conforme dados do Anuário da Segurança Pública de 2023, a taxa de mortes violentas intencionais em Mato Grosso ficou em 29,3 para cada 100 mil habitantes em 2022, aumento de 18,9% com relação a 2021. O aumento dos homicídios dolosos, segundo o levantamento, são decorrentes das intervenções policiais. Sorriso foi a única cidade de Mato Grosso, com mais de 100 mil habitantes, entre as 50 mais violentas do País em 2022.

Essa taxa coloca o estado como o mais violento do Centro-Oeste, seguido de Goiás, com taxa de 25,2; Mato Grosso do Sul, com 18,7 e Distrito Federal, 11,3.

FPM: municípios do Mato Grosso vão receber mais de R$ 96 milhões

bottom of page