• Editor

Poker: Esporte que desafia e aprimora habilidades mentais


Reconhecido pela IMSA (International Mind Games Association) como ‘esporte da mente’, o pôquer vem conquistando mais adeptos a cada dia, sendo o jogo de cartas mais popular do mundo, na atualidade. Para se destacar, o jogador tem que aliar algumas técnicas e táticas de jogo que podem ser desenvolvidas com a prática do esporte.


Estudos realizados mostram que o pôquer é um jogo que envolve mais habilidade do que sorte. Além de reduzir as possibilidades de erro em cada jogada com base nas cartas que dispõem, o jogador deve observar o comportamento do oponente, ‘lendo’ as possibilidades de ele ter cartas boas ou não. O blefe está presente durante todo o jogo, com o objetivo de levar o oponente a desistir ou a avançar na jogada. Jogadores experientes afirmam que a inteligência pessoal pode ser desenvolvida com treino, o que aumenta a capacidade de entender a intenção das pessoas com mais clareza. Logo, pessoas destreinadas possuem desempenho pior do que os adeptos. E habilidade vem do treino.



Em Lucas do Rio Verde, o Golden’s Poker Club é um espaço onde é possível aprender a jogar pôquer ou mesmo aprimorar a prática, desenvolvendo importantes habilidades. Dyou Wagner, responsável pela administração do ambiente, conta que a Golden’s existe a quatro anos sendo criada por um grupo de amigos. Posteriormente, Dyou adquiriu o espaço e investiu para tornar o ambiente cada vez mais confortável para receber os jogadores. “É um local aconchegante, onde ele possa se sentir em casa. Foi tudo pensado no jogador, pra ele conseguir se sentir a vontade para praticar o pôquer. A gente buscou desenvolver uma das melhores estruturas do Estado em relação a mesas, cadeiras, fichas, ambiente todo climatizado. O jogador vem e sente numa outra atmosfera de um torneio a nível estadual, a nível Brasil. Ele consegue isso aqui dentro do clube em Lucas do Rio Verde”, pontuou.


Além de torneios locais, o Golden’s também participa de atividades regionais e estaduais, sediando etapas destas competições. Alguns eventos contam com premiações generosas. “Só este ano, nos eventos que realizamos aqui, foram mais de R$ 500 mil em premiações. Um volume bom pelo porte do clube”, assinalou Dyou. Ele acrescenta que o Golden’s realiza também torneios recreativos, ideais para quem quer conhecer o esporte e dar os primeiros passos.


Temos pessoas que ensinam desde os modos recreativos do jogo aos jogos profissionais. Você pode escolher o tipo de jogo que quer desenvolver dentro do clube”.

Os jogos recreativos denominados freeroll acontecem às segundas-feiras. “Pode entrar sem ter custo nenhum. É o jogo onde a gente ensina as pessoas a jogar de forma recreativa”.



BSOP

Por conta da pandemia, as atividades do pôquer foram suspensas e retomadas recentemente. E uma das maiore está emcompetições em andamento. “É o BSOP (Brazilian Series of Poker), um circuito internacional que acontece no Brasil, o maior da América Latina. Os maiores jogadores de Lucas e região estão indo pra participar deste evento”, assinalou Dyou, citando que a premiação é bem interessante. A ideia é levar o clube luverdense a outros patamares. “Temos bons nomes em nossa região. O próprio Leandro Zavodini, podemos citar ele, que em 2017 foi vice campeão e hoje é um grande parceiro do clube”, pontuou.


Estratégias

Dyou Wagner ressalta que o pôquer é um jogo de estratégias e matemática. Apenas 11% das ações desenvolvidas em uma partida são relacionadas à sorte do jogador. “Vai envolver muito o seu psicológico. O pôquer é a arte de blefar. Se você souber ‘ler’ o seu adversário, nem sempre a ‘melhor mão’ vence, mas a forma de você jogar contra o seu adversário. Você vai mexer com o psicológico desta pessoa e forçar a pessoa a pensar: ‘será que ele tem uma mão mais forte que a minha? Será que ele tá blefando?’ Então é isso, o pôquer é a arte de blefar”.

O pôquer também auxilia na manutenção da saúde mental para pessoas de todas as idades, principalmente os que alcançam a terceira idade. Os mais jovens têm a partir de 18 anos, mas há casos de idosos que se mantêm hábeis no jogo. “Tem um jogador que mora em Cuiabá que tem 100 anos. Você conversa com ele como se fosse uma pessoa de 40 anos, pela lucidez dele. Isso o pôquer proporciona às pessoas. Como leva a pessoa a desenvolver o raciocínio ele é recomendado”, pontua.


Socializar

Entre os bons exemplos está a aplicação de alguns princípios do pôquer no dia a dia do praticante. Segundo Dyou, o jogador consegue aplicar o que aprende no dia a dia, pessoal ou profissional. “Ajuda a analisar melhor as possibilidades de mercado, você olha o mundo de uma forma diferente. Você pode conversar com qualquer jogador que vai confirmar. A mente dele se abre muito mais”, avalia.

Durante os encontros, os praticantes de pôquer trocam experiência de jogos e do que acontece no dia a dia. “É um jogo que proporciona varias emoções, é realmente apaixonante”, finaliza.


Leia a última edição completa da Revista Portal